Categorias: Histórias de famosos Também sou do mundo

De mala e cuia! Mareu estreia temporada e fala da sua vida além do Adotada

Bati um papo com a querida Maria Eugênia, do programa Adotada, da MTV. Ela falou um pouco sobre viagens, a sua vida pessoal e a nova temporada do programa, que será lançada amanhã, às 21 horas.

Crédito: Foto de divulgação.

Ahhh, não acredito que você está aqui, Mareu! Adoro seu programa e até adotei a expressão “calor do senegal” para qualquer 30 graus que enfrento (risos).

Antes do “Programa Adotada”, você já havia feito algum tipo de intercâmbio, onde residiu em alguma casa de família desconhecida ou em república estudantil? A sua adaptabilidade a diferentes famílias vem de onde?

Mareu: Nunca fiz intercâmbio, mas, por incrível que pareça, eu tive medo. Tenho vontade de fazer mesmo “veia” (risos)… Na verdade, é a curiosidade que me move no caso do programa. E eu sempre gostei de fazer isso… Ia de mala e cuia pra casa dos amigos para ver e viver coisas diferentes.

O quê te inspira na montagem dos seus looks dentro e fora das telinhas?

Mareu: Não sei se tenho alguma inspiração. Eu uso o que me dá vontade. Tem dias que eu acordo e quero sair vestida de Mulher-Maravilha. Acho que é como se fosse o personagem do dia. Tem dias que não quero me arrumar para nada.

O quê nunca falta na sua mala?

Mareu: Salto alto, óculos escuro, batom vermelho e pijama. Isso na mala do Adotada. Na pessoal já muda um pouquinho.

Quando você tem um tempinho sobrando costuma viajar? Para onde foi a sua última viagem e quais lembranças trouxe do destino?

Mareu: A última viagem que eu fiz foi para Jericoacoara, no final do ano. No ano passado, eu viajei muito. Fui com o André para Miami, Nova York (por causa do Emmy), Punta e também viajamos muito para o interior. Vamos sempre pra Americana nas folgas, porque a família do André mora lá. Então, esse é o lugar que eu tenho mais visitado ultimamente.

Gostaria de te adotar durante uma das minhas viagens (risos). Vale entrar na rotina de uma blogger para conhecer um lugar novo?

Mareu: Vale super!

Opaaa! Alô, produção!  

Sobre a nova temporada do Adotada…

Crédito: Foto de divulgação.

Que tipo de histórias o telespectador conhecerá? Lembro que você falou sobre quatro amigos que moram juntos e que convivem como uma família…

Mareu: Quatro amigos que moram juntos. A família que eu acabei de sair tem uma mãe que descobriu um câncer no estômago e não quis operar, nem fazer quimioterapia. O médico deu seis meses de vida pra ela e ela vive há dois anos e meio graças à alimentação saudável que ela tem. Ela é vegana e faz dança circular. É muito legal. Até agora foram os quatro amigos, a primeira, a segunda e a terceira família que eram bem tradicionais. Agora estou indo para uma família no Vidigal que ainda não sei o que esperar.

O quê aprendeu com a convivência de diferentes tipos de família?

Mareu: Eu aprendi a ver a vida de várias maneiras diferentes e formas de viver mesmo, sabe? De perto. Porque às vezes a gente imagina ou a gente conhece gente que vive de jeito diferente. Mas eu vivi essas formas por pouco tempo, mas vivi.

Os lugares que você já passou além de São Paulo, João Pessoa, Rio Branco, Natal… Tem mais algum?

Mareu: Na sexta-feira estou indo para o Vidigal e na outra semana vou para Curitiba.

Na nossa entrevista, a gente conversou sobre como o programa se distancia daquele discurso de “família tradicional brasileira” e apresenta diferentes configurações de famílias. Pode me falar sobre a importância do programa neste quesito?

Mareu: É importante mostrar que é cada vez mais natural isso para a gente. Eu não vejo mais diferença do que é uma família tradicional ou uma família não tradicional. Família é família, família são os seus amigos, você e seu namorado. É quem você considera família. Não precisa ser de sangue. Pessoas com quem você tem relação, tem trocas, tem brigas. Porque a única exceção que a gente não tem na família, é a briga. Toda família briga.

Como ficou sabendo da indicação ao Emmy e qual foi a sua reação?

Mareu: Eu estava gravando um comercial e a minha chefe da MTV me ligou e disse: “Adotada está concorrendo ao Emmy”. Eu nem entendi o que estava acontecendo, pensava: “Que Emmy”? Fiquei em choque, foi sensacional. Acho que minha ficha só caiu quando eu tive que ir para Nova York e escolher um vestido de festa.

Torci muito por você…

Mareu: Ah, eu acho que todo mundo que é indicado para alguma coisa, tem alguma expectativa de ganhar, né? Mas quando eu cheguei lá e vi alguns outros programas, principalmente o do sueco, achei que seria bem difícil, mas já estava feliz só por estar lá. É sensacional.

Crédito: Foto de divulgação.

A que você atribui a longevidade de Adotada e seu sucesso?

Mareu: Acho que é porque os episódios são muito diferentes um do outro, as famílias são muito diferentes. Entramos na casa de pessoas que a gente nunca imaginou viver, tanto eu como os telespectadores, que entram junto comigo. Então, acho que é essa curiosidade de ver o que acontece dentro da casa do outro é quase uma fofoquinha. Todo mundo adora ficar sabendo da vida dos outros, né?

Uma semana é suficiente para se adaptar à rotina da família? Você julga ser o tempo ideal?

Mareu: Não chega a ser uma semana exatamente. É um período de 4 a 7 dias. Para um programa de uma hora é o ideal. Se tivesse mais conteúdo, teria que ter mais tempo de programa.

Qual foi a família que você mais se apegou de todas as temporadas?

Mareu: Isso é uma coisa que eu não posso responder, porque se eu falar, as outras famílias vão querer me matar. Tem famílias que eu adorei, tem família que eu não quero ver nem pintada de ouro. Então, sei lá, todas.

Tudo isso porque você ainda mantém contato com elas (as famílias)?

Mareu: Sim, eu mantenho contato com a maioria das famílias. Agora está mais corrido, estou com o tempo muito curto, mas sempre tento falar com todo mundo quando posso.

Teve alguma família que você acha que não se encaixou e não via a hora de ir embora?

Mareu: Várias. Só que depois da segunda temporada acho que eu estava mais acostumada, daí não acontecia mais.

Já tem planos para uma quinta temporada do programa?

Mareu: Eu acho que ainda é muito cedo para responder alguma coisa sobre uma quinta temporada, ainda estou gravando a quarta. Vamos assistir essa primeiro e dar uma curtida, né?

 Você tem alguma outra ambição na TV? Que tipo de programa gostaria de fazer?

Mareu: Nossa, eu tenho trabalhado tanto que eu nem consigo pensar em fazer outra coisa no momento. Eu só gostaria de dormir mais. Eu tenho outros planos sim, alguns projetos.

Para concluir o nosso bate-papo, o quê você diria para os leitores de Ares do Mundo?

Mareu: Assistam o Adotada. Se vocês gostam de cultura, viagens e lifestyle, com certeza vocês vão amar esta temporada. E aproveitem a vida! Viajar, conhecer novas culturas e viver novas experiências estão entre as melhores coisas da vida. Nos traz muito conhecimento e maturidade.

Super obrigada! Muito sucesso e que você continue alegrando a muitas famílias com a sua presença.

😉

 

Comente! via Facebook