Categorias: Experiências de Consumo, Lifestyle

Jo Malone e a arte de combinar fragrâncias

Conheci a Jo Malone no aeroporto de Roma, um tempo atrás. Logo de cara, me conectei com o propósito da marca made in London, que é combinar essências de forma personalizada. Dentre um portfólio tão grande de aromas, selecionar os meus preferidos foi uma tarefa difícil, porém, divertida.

Produtos da Jo Malone no Brasil
Linha de produtos Jo Malone (crédito: site Jo Malone)

Como poderia escolher notas florais suaves, apimentadas ou cítricas? Eram muitas as opções. Gostava de todas as essências que experimentava na pele. Foi então que um consultor (ou um concierge dos aromas, se é que posso criar esta função), se aproximou de mim e começou a “escanear” as minhas preferências por meio de observações e algumas perguntas básicas.

Em poucos minutos, ele já sabia exatamente o que me oferecer: a Red Roses Colone. Uma fragrância que mesclava 7 rosas raras, com fundo de violeta e leve toque de limão. Por incrível que pareça, foi absolutamente adequada para o que eu buscava vivenciar em Bruges, local que estava a caminho. Sensação medieval, atmosfera de romance e leveza.

Conexão pessoal com a Jo Malone

Achei interessante o trabalho investigativo com propósito sensorial da Jo Malone. De forma certeira, reconheceu a minha essência (não o inverso) e me cativou pela minha identificação instantânea com o produto. Mas este é o objetivo das marcas de luxo, né? Promoverem as sensações, como se fossem artes. Assim que fazem história, e nós consumidores reconhecemos o seu valor e criamos vínculos.

Além das colônias, conheci outros produtos da Jo Malone, como a linha de hidratantes e itens para casa. Pelo próprio site dá para personalizar parte da experiência e oferecem uma massagem de luxo nas mãos e braços em qualquer compra.

Cosméticos Jo Malone no Brasil
Cosméticos Jo Malone (crédito: site Jo Malone)

Curiosidades sobre as marcas de luxo e os aeroportos

Você sabia que os aeroportos estão cada vez mais bonitos por causa dos produtos que são vendidos neles?

A ideia é transformá-los em verdadeiros shoppings centers e cada vez mais oferecer conforto aos clientes, para que estes passem mais tempo neles antes de viajarem para algum destino.

No caso dos cosméticos, por exemplo, as lojas em aeroportos, Dutty Free, carrinhos e revistas dentro das aeronaves e espaços comerciais em cruzeiros somam cerca de 50 bilhões de reais em vendas. Já que muitas pessoas optam por comprar cosméticos durante o trânsito de uma viagem, é natural que estas e outras marcas colaborem com os aeroportos para serem espaços mais atrativos e confortáveis. Aliás, tem cada aeroporto por aí…

Deixe o seu comentário