Categorias: Europa Itália Roma Vaticano

Roma perdeu o Império, mas não a majestade

Roma, que também é conhecida como “Cidade Eterna”, é o berço da civilização, arte, cultura, moda e diversão. Talvez o peso de tantos bons títulos não seja devidamente expresso em apenas um parágrafo. Tão pouco em um post ou livro, mas de fato em uma vida seria possível explorar os inúmeros prazeres de visitar a capital da Itália.

O surgimento de Roma, por si só, já é algo que ilustra a “magia” da cidade. Muito antes do nascimento de Cristo, as lendárias brigas dos irmãos Rômulo e Remo fizeram surgir esta grande metrópole. Quando bebês foram abandonados em uma cesta no Rio Tibre, e uma loba, para mantê-los vivos, os alimentou. Mais tarde, pastores participaram das suas criações e quando adultos ganharam terras para cultivar, que seria supostamente Roma.

No passado, a cidade chegou a ser comparada a Londres, devido ao seu tamanho e crescimento populacional (com mais de 1 milhão de pessoas). Entre guerras perdidas e batalhas politicas, a população chegou a cair para menos de 50 mil habitantes. Mas, nos últimos 50 anos, a certa “estabilidade” na liderança fez com que a cidade voltasse ao ranking das maiores da União Européia, com quase 3 milhões de pessoas. Hoje Roma é também uma das mais visitadas do mundo.

Vaticano 

Falando em lugares mais visitados, todo mundo busca as atrações do Vaticano para conhecer.

O Vaticano pertencia à Roma até 1929 e, a partir deste ano, virou um estado independente. É o menor estado do mundo e somente poucas visitas guiadas podem ser feitas no seu interior. Com a visitação pública é possível conhecer apenas o Museu do Vaticano, as Necrópoles, a Basílica de São Pedro e as Tumbas dos Papas. Com sorte, poderá participar de uma audiência com o Papa Francisco também.

O Museu do Vaticano é um dos lugares mais buscados por visitantes em Roma, principalmente pelo fato da Capela Sistina fazer parte do tour. Nos verões é possível perder horas nas filas, dentro do Museu ou da Capela.

Claro, o Museu é lindíssimo e para qualquer adorador de história e arte é um point fácil para passar horas. Mas eu confesso que estar no meio de uma multidão de gente falando alto e em um ambiente quente pela temperatura externa pode não ser tão bacana assim. Pelo Museu, na verdade, eu nem esperava tanto, mas sonhava em conhecer a Capela Sistina, obra de Michelangelo, Rafael, Botticelli e Bernini. Uma amiga que já havia visitado Roma antes de mim, me disse que estava tão vazio quando ela foi, que chegou a deitar no chão da Capela para ficar admirando o teto. Eu, iludida pela experiência dela, achei que seria o mesmo comigo… Doce ilusão.

Para você conseguir conhecer bem o Museu do Vaticano e a Capela Sistina, recomendo que compre um tour antes da abertura oficial do Museu. Assim é possível entrar 1 hora e 15 minutos antes da multidão e dá para ter mais exclusividade no passeio. Outra alternativa é evitar as épocas em que Roma está lotada de visitantes, como nos meses de Julho e Agosto. Vai estar menos cheio e com uma temperatura bem mais agradável para o passeio. Uma terceira opção seria conhecer as Necrópoles Vaticanas primeiro, porque a visita guiada termina bem na entrada do Museu. Desta forma, os próprios guias te colocarão lá na frente da fila.

As Necrópoles são um antigo cemitério romano que fica sob a Igreja de São Pedro. Lá coexistiam várias tumbas de papas e pagãos. O mais interessante do lugar é a arquitetura e a arte impressa nas paredes e no chão. Porém, só recomendo a visita se você não tiver claustrofobia, porque tem passagens que são bem estreitas.

A Basílica de São Pedro é outra atração imperdível. Muita atenção com as suas roupas, pois se estiver com os ombros de fora ou roupas curtas demais, não poderá entrar.

Eu errei na roupa na primeira vez que fui e, com os ombros à mostra, os guardas não me deixaram entrar. Quando estava quase desistindo de visitar a Igreja, surgiu uma senhora muito sorridente que falou: “Fique com o meu lenço, moça. Coloque nos seus ombros, mas não deixe de entrar na igreja”. Eu peguei o pequeno lenço e quando fui agradecer, ela tinha desaparecido como em um passe de mágica. Não a vi mais mesmo. E olha que eu procurei bastante por ela. Fiquei arrepiada na hora, mas segui com o passeio.

Nunca fui de chorar ao entrar em igrejas, mas lá chorei de soluçar. Senti uma energia muito forte, uma mistura de sentimentos que não sei descrever. Foi tudo muito intenso.

   

Depois de passar pela igreja, resolvi ir à cúpula. Subi os altos degraus da estreita escadaria em caracol, muito abafada, fechada e cheia de gente. Mas quando percebi, lá estava a vista que tanto desejava ver no topo da igreja. Linda Roma, que experiência maravilhosa!

Ainda sobre a cúpula, mesmo que te falem que dá para ir de elevador, não considere esta possibilidade se você achar que vai passar mal. O elevador somente faz o trajeto mais fácil do tour. O mais difícil tem que ser feito a pé.

Além das atrações do Vaticano, o quê tem de interessante para fazer em Roma?

Muitas coisas, mesmo. Mas, para facilitar, vou listar aqui as minhas nove atrações preferidas, com uma breve descrição de cada uma.

1- Coliseu

A construção é de 72 d.C e o anfiteatro era usado para a luta de gladiadores, execuções, espetáculos públicos e caças de animais selvagens. Grande parte destes eventos serviam para entreter a população humilde e revoltada de Roma. A famosa política do Pão e Circo.

Ao longo de tantos anos, o Coliseu sofreu com roubos e terremotos, mas ainda hoje é um dos lugares mais visitados pelos turistas.

* No primeiro domingo do mês, é possível visitá-lo de graça. E o ingresso é válido para o Coliseu e o Foro Romano. Se não for o seu caso, AQUI você pode encontrar opções de ingressos para as duas atividades com preços justos.

2- Fórum Romano

Bem próximo ao Palatino, fica o Fórum Romano. Estas ruínas foram o ponto de encontro mais conhecido do mundo. Aí aconteciam eleições, julgamentos, confrontos de gladiadores e discursos públicos.

3- Fontana di Trevi

Diz a história que no ano 19 a.C, técnicos romanos foram auxiliados por uma virgem para localizar a fonte de água pura (e isto está representado na escultura, inclusive).

Esta fonte era muito importante para o abastecimento de água em Roma. Quando os Godos invadiram a cidade, eles destruíram os aquedutos e os romanos foram obrigados a coletar água em poços poluídos.

Hoje a fonte funciona normalmente e ali tem bebedouros com água própria para o consumo. Além de tomar a água, recomendo seguir a tradição de jogar uma ou mais moedas na fonte.

Alguns dizem que, quando se joga uma moeda, você pode fazer um pedido. Já outros que, se você jogar uma moeda, voltará a Roma no futuro. Se jogar duas moedas, irá se apaixonar por um italiano e, se jogar três, se casará com ele.

Bom, superstição ou não, eu joguei uma moeda e meu retorno a Roma aconteceu.

4- Compras na Via Veneto

As marcas mais renomadas estão nesta rua. Estava achando que só Milão e Nova York são as responsáveis pela moda no mundo?

5- Castelo de Santo Ângelo

O Castelo foi construído pelo Imperador Adriano como um mausoléu pessoal e familiar no ano de 135 d.C. Alguns séculos depois, virou um edifício militar.

Quando Roma foi assolada pela Peste, o Papa Gregório I disse que viu o Arcanjo São Miguel apontando a espada para a doença do topo do Castelo. Então, colocaram uma estátua do anjo coroando a construção.

Durante a época medieval, o Castelo foi o monumento mais emblemático dos Papas e hoje é aberto para a visitação.

6- Escadarias de Espanha

As Escadarias levam este nome, porque a Embaixada da Espanha tinha sede aí. A sua função era permitir o acesso à Igreja da rua de cima. Porém, foi por muito tempo utilizada como mercado de arte e ponto de encontro dos boêmios. Hoje, não existe mais o comércio, mas as pessoas, principalmente os turistas, adoram tomar um sorvete e fazer programas por ali.

7- Panteão

Na sua concepção, a ideia era criar um templo para todos os deuses. Mas hoje ele funciona como um mausoléu de notáveis, como políticos, intelectuais, artistas, etc.

8- Monumento a Vitor Emanuel

O monumento inteiro de mármore foi erguido em homenagem ao primeiro rei após a Itália ser unificada. É possível entrar dentro do “edifício” de forma gratuita. O que eu mais gostei na visita foi a vista lá de cima.

9- Mercado popular Campo De Fiori

De segunda a sábado funciona nesta praça um mercado popular de alimentos frescos e flores. Esta é a única praça de Roma que não tem uma igreja. O marco do lugar é a estátua de Giordano Bruno, que foi queimado vivo no local no ano de 1600, por afirmar que a Terra girava em torno do Sol e que não era o contrário.

Cuidados essenciais em Roma

1- Fique de olho nos seus pertences. Tem bastante oportunista aproveitando os lugares cheios de turista para roubar os desatentos.

2- Não encare ou peça informação para o Exército local. Com essa onda terrível de terrorismo, eles estão rondando por toda a cidade para manter a segurança da população. Não desvie a atenção dos soldados com outros assuntos.

3- Cuidado com os trombadinhas que cobram valores irrisórios dizendo cortar filas de lugares públicos ou privados. O melhor é pegar a fila ou comprar o passe livre em uma empresa confiável.

4- Não saque dinheiro em ATMs muito próximos de pontos super turísticos, porque estes cobram altas taxas.

5- Você não precisa pedir os 3 pratos que os cardápios e garçons indicam ao entrar em um restaurante. Fica tranquilo que não é falta de educação. Se você quiser comer só a entrada, ou a refeição principal ou apenas a sobremesa, você pode.

😉

Comente! via Facebook